Carpas

As nossas Koi são suscetíveis a contrair várias doenças. Porém, a saúde de nossos peixes está diretamente relacionada com o cuidado que temos com eles. Dificilmente um peixe mantido em uma água com boas condições ambientais, e que receba uma boa alimentação desenvolverá algum tipo de enfermidade. Contudo, um fator que devemos considerar é a idade das nossas Koi, que está relacionada à "força" do sistema imunológico. Basicamente: peixes mais novos e peixes mais velhos tendem a apresentar um sistema imunológico mais frágil, mas vale frisar que nossas Koi tem grande longevidade o que faz demorar o aparecimento desses problemas.

Mas, de toda forma, o surgimento de enfermidades está relacionado com a quebra de equilíbrio que existe entre os nossos peixes, o ambiente onde estão mantidos e os parasitas que ali estão.

Ou seja, para que nossos peixes se mantenham sadios é preciso que tudo fique nas condições ideais. Se, por exemplo, houver um desequilíbrio na qualidade de água, diminuição do oxigênio dissolvido e aumento da amônia, nossos peixes ficarão mais frágeis, terão sua resistência diminuída, e isso propiciará a ocorrência da infestação parasitária.

Além disso, vários fatores podem abalar essa tríade que resulta no aparecimento de doenças nos peixes. Esses fatores podem ser rápidos, pontuais (agudos), na maioria das vezes relacionados com o manejo e com mudança brusca na qualidade de água, ou podem ser longos (crônicos), que na maioria das vezes estão associados a uma alimentação ruim.

Mas uma informação importante é que esses estímulos geram estresse nas Koi, que é dividido em três fases: a primeira é denominada de alarme, na qual nosso peixe "sente" o estimulo que o "incomoda". Esse estimulo pode ser externo, ambiental ou interno, resultante de algum mecanismo fisiológico. A segunda é chamada de fase de adaptação. E a terceira fase é denominada de exaustão, que é quando o peixe não consegue mais "lutar" contra o estímulo que está recebendo, e sucumbe.

A fase onde podemos resolver nosso problema ou colocar tudo a perder, ou seja, deixar nossas Koi morrerem é a fase da adaptação, pois, nessa fase devemos fazer com que nosso peixe retorne à sua condição de conforto ou então se adapte à nova situação.

Por isso devemos ter muito cuidado quando realizamos algum manejo no ambiente das nossas Koi e principalmente quando queremos que elas melhorem de algum sintoma que identificamos ser diferente e prejudicial ao nosso peixe. É importante contarmos com o auxilio de um especialista.

Assim, devemos prestar atenção no comportamento dos nossos peixes, isso é primordial, imprescindível para que percebamos que nossa Nishikgoi está na fase de adaptação, por exemplo. Abaixo, seguem-se alguns comportamentos que não são normais em nossas carpas e podem nos auxiliar no diagnóstico, ou percepção, de alguma anormalidade:

Dificuldades respiratórias, separação do grupo, movimentos giratórios, peixes "boquejando" o ar, apatia, natação errática, morte aparente, peixes deitados no fundo do lago como se estivessem mortos, movimentos bruscos seguido de repousos, esfregar-se, muita fome, nadadeira fechada ou cauda fixa, suspensos na superfície, nado irregular, zonas hemorrágicas.


Dentre as doenças e enfermidades que nossas Koi podem contrair existem várias naturezas, que vão desde intoxicações provocadas pelos parâmetros inadequados de qualidade de água, genéticas, nutricionais, e provocadas por parasitas.

As doenças genéticas estão, na maioria das vezes, associadas à consangüinidade da prole. Contudo alguns fatores podem predispor para que essas doenças se manifestem – o gene "ruim" está no peixe, e dependendo de alguns fatores pode aparecer ou não.

As doenças nutricionais estão associadas, na maioria das vezes, com a deficiência de algum nutriente. Esse tipo de deficiência muitas vezes predispõe() as Koi a contraírem outras doenças, principalmente bacterianas. Vale lembrar ()a tríade parasita-ambiente-hospedeiro. Nesse caso, ração ruim, hospedeiro comprometido.

Uma dica importante para garantirmos que nossos peixes se mantenham sadios é a elaboração de um histórico do nosso lago. Devemos coletar informações que vão desde os parâmetros de água, população, o consumo de ração e a adição de novos habitantes no ambiente. Essa tarefa pode ser realizada pelo criador das carpas ou através de serviços prestados por alguma empresa especializada. Mas a vantagem desse recurso é possibilitar que conheçamos como nossos peixes estão sendo mantidos e podermos identificar qualquer diferença neles e no seu ambiente de forma rápida, para agirmos sempre de forma preventiva e profilática.

Afinal, se não deixarmos nossos peixes sadios qual é o proposito de os criarmos.... o bem estar de nossos amigos tem que vir em primeiro lugar...

Uma coisa é fato: quando falamos de doenças das Koi, o que vem na nossa cabeça são as doenças provocadas por parasitas mesmo... então vamos a elas.

Mas vale informar que nossas Koi são suscetíveis a doenças provocadas por todo tipo de organismos, unicelulares e pluricelulares: vírus, protozoários, fungos, metazoários e bactérias.

Crustáceos Metazoários Protozoários Bactérias Fungos Vírus